- Demoustier Portugal

Ir para o conteúdo

Menu principal:

d2w
Oxobiodegradable
      Symphony Environmental - líder mundial em tecnologia de plásticos ambientalmente responsáveis
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Folheto d2w
Terminologia

Há vários termos utilizados neste site que podem gerar dúvidas. Para tanto, criamos um pequeno glossário para facilitar o entendimento.

Polímeros:

São materiais orgânicos ou inorgânicos, naturais ou sintéticos, de alto peso molecular, cuja estrutura molecular consiste na repetição de pequenas unidades, chamados meros. A sua composição é baseada num conjunto de cadeias poliméricas. Cada cadeia polimérica é uma macromolécula constituída por união de moléculas simples ligadas por covalência.)

Devido ao seu tamanho avantajado, a molécula de um polímero é chamada macromolécula. A reação que produz o polímero é denominada reação de polimerização. A molécula inicial (monômero) vai, sucessivamente, unindo-se a outras, dando o dímero, trímero, tetrâmero… até chegar ao polímero.

Aparentemente, o processo poderia prosseguir, sem parar, até produzir uma molécula de tamanho "infinito"; no entanto, fatores práticos limitam a continuação da reação.

Polímeros não são apenas os plásticos, eles também entram na constituição do nosso corpo. Por exemplo, o ADN, que contém o código genético que define as características das pessoas e outros seres vivos, é um polímero. Também são polímeros as proteínas e o amido nos alimentos.

Ao aprendermos mais sobre os polímeros que são tão habituais no nosso dia-a-dia podemos aprender como utilizá-los melhor e como reciclá-los melhorando o ambiente.

Degradação de Polímeros:

A norma CEN TC 249/WG9 N120 define degradação de polímeros como: “mudança perniciosa nas propriedades iniciais resultante de clivagem química das macromoléculas formadoras de um item polimérico, a despeito do mecanismo causador da clivagem”.

As mudanças citadas acima constituem transformações físicas e químicas, e o grau de degradação é definido (CEN TC 249/WG9 N120) como:

“Fração de massa de um material original que se degradou sob condições específicas como medido através de dimensões moleculares especificadas sensíveis ao fenômeno”.

Plásticos:

Plástico é a denominação de uma numerosa e prolífica família de materiais sintéticos formados por grandes moléculas. São materiais que se tornam moles pela ação do calor ou solventes e, neste estado, facilmente moldáveis. Aliás, o vocábulo “plástico” indica a relativa facilidade de levar tais materiais ao estado plástico. Podem receber aditivos, como estabilizadores, que lhes conferem resistência a ácidos, calor e raios solares, e também pigmentos, que lhes dão as cores e tonalidades desejadas.

Bioplásticos:

A palavra bioplásticos já não se limita aos plásticos biodegradáveis ou compostáveis, feitos de materiais naturais tais como milho e amido. A palavra bioplásticos está sendo utilizada para plásticos biodegradáveis baseados em petróleo; plásticos baseados em materiais naturais, os quais não são necessariamente biodegradáveis; e combinações de plásticos feitas tanto a partir de materiais derivados de petróleo como vegetais, quer sejam biodegradáveis ou não.

A classificação dos bioplásticos esta a ser redefinida da seguinte forma:
• Plásticos de Base Biológica ou feitos a partir de fontes biológicas, com foco principal na origem dos blocos construtivos de carbono do material, e não na sua destinação ao final da vida útil do produto.
• Plásticos Biodegradáveis com foco na destinação dos materiais ao final da vida útil. '

Nem todos os materiais de base biológica são necessariamente biodegradáveis, tão pouco todo material biodegradável é necessariamente de base biológica. O etileno oriundo do etanol é idêntico ao etileno produzido a partir da nafta, e os plásticos feitos a partir do bio etileno são indistinguíveis daqueles fabricados a partir de resinas derivadas de petróleo. Muitos acreditam que uma das características inerentes a todos os polímeros petroquímicos é que não são biodegradáveis, simplesmente porque são derivados de petróleo. Isto não é verdade.

Plástico Oxobiodegradável:

A norma europeia CEN TC 249/WG9 T120 define a oxo biodegradação como: “Degradação resultante de fenómenos oxidativos e mediados por células tanto de modo simultâneo como sucessivo”.

Os polímeros oxo biodegradáveis, tais como a borracha natural, lignina, lignocelulose assemelham-se aos polímeros sintéticos de hidrocarbonetos, tais como as poliolefinas e poliestireno, e estudos recentes demonstraram que as poliolefinas são biologicamente assimiladas por microrganismos.

Plástico Hidro biodegradável:

A definição de hidro biodegradação é totalmente similar aos oxo biodegradáveis, exceto pelo fato de que o gatilho primário é a água, em vez do oxigénio. Ambos os tipos de biodegradação se aplicam igualmente bem a polímeros naturais e sintéticos. Os polímeros hidro biodegradáveis típicos incluem produtos encontrados naturalmente tais como celulose e seus derivados, amidos e proteínas, cujos mecanismos têm sido estudados há muitos anos. Mais recentemente, as atenções concentraram-se nos polímeros sintéticos hidro biodegradáveis tais como os poliésteres alifáticos e poliamidas.

Compostagem:

A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume, em materiais orgânicos utilizáveis na agricultura. Este processo envolve transformações extremamente complexas de natureza bioquímica, promovidas por milhões de microrganismos do solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes minerais e carbono.

Por essa razão uma pilha de composto não é apenas um monte de lixo orgânico empilhado ou acondicionado em um compartimento. É um modo de fornecer as condições adequadas aos microrganismos para que esses degradem a matéria orgânica e disponibilizem nutrientes para as plantas.

Compostagem Doméstica e Industrial:

Para o plástico ser considerado compostável os seguintes critérios deverão ser satisfeitos:
• Desintegração: habilidade de se fragmentar em partes não distinguíveis após peneiração e suportar bio assimilação/crescimento microbiano
• Biodegradação Inerente: Conversão de 60% do carbono em CO2 (ASTM D6400-04) e 90% (EN 13432) num período de 180 dias
• Segurança: Ausência de evidências de ecotoxicidade no composto pronto; o solo suporta crescimento vegetal
• Toxicidade: Concentrações de metais pesados são menores que 50% dos valores previstos pela legislação, nas adições de solo.

Muitos dos bioplásticos que satisfazem os padrões internacionais de compostabilidade só podem ser compostados em instalações industriais. É necessário certo nível de temperatura, calor, água e oxigénio aos microrganismos para que haja biodegradação eficiente e efetiva. Na compostagem industrial, condições específicas (temperatura, nível umidade, tempo) são atingidas, as quais são significativamente diferentes daquelas presentes na compostagem domestica. A temperatura necessária, em particular, não pode ser mantida nas instalações de compostagem residenciais. Muitas comunidades não têm acesso a instalações de compostagem industrial.

Composto:

Dito de maneira científica, o composto é o resultado da degradação biológica da matéria orgânica, na presença de oxigénio do ar, sob condições controladas pelo homem. Os produtos do processo de decomposição são: gás carbónico, calor, água e a matéria orgânica "compostada".

O composto possui nutrientes minerais tais como nitrogénio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre que são assimilados em maior quantidade pelas raízes além de ferro, zinco, cobre, manganês, boro e outros que são absorvidos em quantidades menores e, por isto, denominados de micronutrientes. Quanto mais diversificados os materiais com os quais o composto é feito, maior será a variedade de nutrientes que poderá suprir. Os nutrientes do composto, ao contrário do que ocorre com os adubos sintéticos, são libertados lentamente, realizando a tão desejada "adubação de disponibilidade controlada". Por outras, palavras, fornecer composto às plantas é permitir que elas retirem os nutrientes de que precisam de acordo com as suas necessidades ao longo de um tempo maior do que teriam para aproveitar um adubo sintético e altamente solúvel, que é arrastado pelas águas das chuvas.

Degradável:

Degradabilidade é a habilidade que materiais têm de desintegrar, através da ação bacteriana (biodegradação), térmica, oxidativa ou ultravioleta (fotodegradação).

Oxobiodegradável:

A oxo biodegradação de plásticos é definida pela norma TC249/WG9 do CEN (European Organization for Standardization) como "degradação identificada como resultante de fenómenos oxidativos e mediados por células, simultaneamente ou sucessivamente."

Desenvolvimento sustentável:

Termo criado em 1987 e definido no Relatório Nosso Futuro Comum da "Brundtland Commision" (Comissão Mundial para Meio Ambiente e Desenvolvimento) como sendo o "desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações de satisfazerem as suas próprias necessidades".

Triple Bottom Line:

Termo criado nos anos 1990, por John Elkington, fundador da SustainAbility, que representa a expansão do modelo de negócios tradicional - que só considerava fatores económicos na avaliação de uma empresa - para um novo modelo que passa a considerar as performances ambiental e social da companhia, além da financeira. Isso significa que é viável obter lucro nos negócios de maneira responsável, garantindo a manutenção da vida no planeta e estabelecendo relações sociais cada vez mais humanas.



d2w®
Uma solução inteligente
Uma marca que agrega valor à sua marca 
Rodapes
                                      Demoustier - Manutenção e Conservação, Lda.
                                      Av. Salgueiro Maia 1025 Arm 31A - Abóboda - 2785-501 São Domingos de Rana - Portugal
                                    +351 214 459 400  +351 214 459 409  info@ demoustier.pt
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal